Notícias

Vacina oral contra a hepatite B pode ser anunciada em quatro anos

Fonte: Folha.com

Texto A+ A-

 

Pesquisadores do Instituto Butantan conseguiram obter, em camundongos, imunização por via oral contra o vírus da hepatite B.

A atual vacina contra a doença --que é desenvolvida pelo Butantan-- é aplicada de modo intramuscular.

A aplicação oral pode reduzir custos da produção e da aplicação, e ainda aumenta a eficácia da vacina.

Isso porque, ao receber o antígeno por via oral, o organismo produz mais anticorpos.

"A dificuldade de aplicação das vacinas orais é atravessar a barreira do estômago, cuja acidez que destrói as proteínas da vacina", diz Osvaldo Augusto Sant'Anna. Ele é coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Toxinas do Instituto Butantan.

Por causa dessa dificuldade, hoje existem apenas duas vacinas orais: a Sabin (contra a poliomielite) e a vacina contra o rotavírus.

A novidade é que os pesquisadores do Butantan introduziram na vacina oral da hepatite B um novo adjuvante, a sílica nanoestruturada.

Esse composto protege o antígeno da acidez do sistema gastrointestinal e estimula o sistema imunológico.

As pesquisas apontaram uma boa resposta na imunização em camundongos.

Agora, os pesquisadores testarão a eficácia da vacina oral em humanos --o que deve levar cerca de dois anos.

Se a resposta imune for tão boa quanto a dos modelos animais, como esperam os cientistas, a nova vacina poderá estar no mercado em cerca de quatro anos.

INOVAÇÃO MUNDIAL

De acordo com Sant'Anna, a introdução da sílica na vacina contra hepatite B pode revolucionar a produção de todas as vacinas atuais.

"Jamais se pensou que essa e outras vacinas pudessem ser administradas por via oral", explica o cientista.

"Podemos mudar a produção de vacinas em todo o mundo. Temos futebol no Brasil, mas também temos muita ciência", brinca.

O trabalho dos pesquisadores com a sílica começou há mais de dez anos. A ideia inicial era melhorar a resposta à vacina intramusucular.

"Isso é importante porque há indivíduos que são mal respondedores à vacina por razões genéticas ou ambientais. A sílica tem um papel importante nessa melhoria de resposta", explica Sant'Anna.

Ao notar a "proteção" da sílica ao antígeno, os cientistas resolveram testar a vacina por via oral. Desde então, foram publicados quatro artigos sobre o estudo em revistas científicas internacionais.

As pesquisas tiveram a participação de pesquisadores da USP e apoio da indústria farmacêutica Cristália.

Estima-se que mais de 50% da população mundial já foi contaminada pelo vírus da hepatite B. No Brasil, 15% da população já foi contaminada e 1% é portadora crônica.

O vírus que causa a hepatite B (VHB) é transmitido por sangue. Após a infecção, o vírus concentra-se principalmente nas células do fígado.

 

publicado em 19/01/2012 às 08h57

Veja mais

 
 
 
 

Receba novidades

Cadastre seu e-mail e receba novidades sobre a Vita Care

Últimas notícias

Dieta mediterrânea reduz em 30% risco de doença cardíaca

Despeje um pouco de azeite de oliva, de preferência...

Segundo estudo, Ômega-3 protege o sistema imunológico contra os danos da luz solar

Segundo pesquisadores da Universidade de Manchester, na...

Proporcionamos aos idodos uma dieta adequada e todos os programas que promovam e mantenham a autonomia do idoso, além da criação de um ambiente adequado e seguro para o idoso dependente.

Copyright - 2020 Vitacare Todos os direitos reservados