Notícias

A maneira pela qual as pessoas avaliam a própria saúde está ligada à longevidade, diz estudo

Fonte: Veja

Texto A+ A-

 
Foto: Jupiterimages

Foto: Jupiterimages

Pesquisadores do Instituto de Medicina Social e Preventiva da Universidade de Zurique, na Suíça, concluíram que a maneira pela qual as pessoas avaliam a própria saúde está ligada à longevidade. E, além disso, avaliar-se como saudável vai além de estar livre de fatores de risco, mas também engloba bem-estar mental e social. 

Os autores do estudo avaliaram 8.251 homens e mulheres maiores de 16 anos que haviam participado de um estudo de saúde entre 1977 e 1979 e que foram ligados até 2008 à Corte Nacional Suíça. Foram analisados dados como nível de escolaridade, estado civil, tabagismo, histórico clínico, medicações tomadas, taxas de glicemia e pressão sanguínea.

Os pesquisadores observaram que o risco de mortalidade aumentou de forma constante de acordo com a classificação que cada pessoa deu à sua saúde. Ou seja, crescia conforme a saúde fosse considerada 'muito ruim', 'ruim', 'razoável', 'boa' e 'excelente'. Os homens que, no início do estudo, haviam avaliado sua saúde como 'muito ruim' apresentaram uma chance 3,3 vezes maior de morrer antes do que homens da mesma idade que haviam descrito seu estado de saúde como 'excelente'. Entre as mulheres, esse risco foi 1,9 maior.

Além disso, a avaliação que cada um fez da própria saúde não variou tanto com a presença de fatores como níveis de escolaridade, tabagismo, histórico médico e situações clínicas como pressão alta, por exemplo. "Nossos resultados indicam que pessoas que classificam seu estado de saúde como excelente têm atributos que ajudam a manter uma saúde boa, como atitude otimista e positiva e maior satisfação com a própria vida", afirma David Fah, um dos autores do estudo.

Os resultados da pesquisa sustentam um conceito preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que classifica boa saúde não como falta de doença, mas sim como um completo bem-estar físico, mental e social. "Bons médicos não devem, portanto, somente olhar para a presença de fatores de risco ou doenças, mas também verificar quais os recursos de saúde seus pacientes têm e em que tipo de ambientes vivem. E melhorá-los se for necessário", diz Fah.

 

 

publicado em 13/02/2012 às 16h01

Veja mais

 
 
 
 

Receba novidades

Cadastre seu e-mail e receba novidades sobre a Vita Care

Últimas notícias

Dieta mediterrânea reduz em 30% risco de doença cardíaca

Despeje um pouco de azeite de oliva, de preferência...

Segundo estudo, Ômega-3 protege o sistema imunológico contra os danos da luz solar

Segundo pesquisadores da Universidade de Manchester, na...

Proporcionamos aos idodos uma dieta adequada e todos os programas que promovam e mantenham a autonomia do idoso, além da criação de um ambiente adequado e seguro para o idoso dependente.

Copyright - 2020 Vitacare Todos os direitos reservados